O que fazer caso seja demitido?

O emprego é tão importante para o ser humano na idade moderna que a filosofa alemã (de origem judia) Hannah Arendt cunhou o termo Homo Faber (Homem que Fabrica) para se referir à raça humana neste determinado momento histórico. É de se entender, portanto, que a perda de um emprego cause graves consequências não apenas econômicas quanto também psicológicas ao funcionário que a sofre. Pesquisas psicológicas recentes sugerem que o nível de estresse que advém de uma demissão é similar àquele que sucede a perda de um parente (não haveria diferença quantitativa, mas apenas qualitativa entre uma e outra).

Com base nisso, então, fica muito difícil aconselhar a pessoa que perde o emprego, pelo menos no primeiro momento, a simplesmente deixar para lá, sacudir a poeira e dar a volta por cima. Afinal, ela sabe de tudo isso, sabe que eventualmente sua vida profissional irá continuar, sabe que esse fato não diz nada sobre ela enquanto ser humano... porém, como fazer isso? Mais especificamente, o que fazer agora? É nesse aspecto, é nessas dicas, que esse artigo irá se concentrar.

No filme “Amor sem Escalas” George Clooney vive um consultor especializado em desligar funcionários. Ele justifica a necessidade de sua função dizendo que as empresas não querem demitir pessoalmente seus funcionários porque “pessoas demitidas fazem coisas loucas”. Então, o primeiro conselho é “não fazer uma coisa louca”. Sim, o nível de estresse beira o incalculável. Sim, o impacto na autoestima é tão grande que a pessoa, por vezes, deixa de se sentir humana. Porém, uma “reação louca” não servirá de ajuda, pelo contrário, servirá como um empecilho para a recolocação profissional. Portanto, é essencial expressar seus sentimentos e sua indignação em privado ou, pelo menos, de forma assertiva e civilizada.

A seguir, é preciso trabalhar o aspecto burocrático da perda do emprego. Muitas vezes, o manejo de tais práticas burocráticas deverá ser feito enquanto ainda se sente o fardo psicológico da perda do emprego. Contudo, será preciso resolver esses problemas mesmo carregando tal fardo. Faça anotações e mantenha registros. Conheça seus acordos (caso exista) e conheça seus direitos. Exija que o empregador cumpra com suas responsabilidades referentes ao desligamento e forneça a documentação necessária para que você possa entrar com o pedido de seguro-desemprego. Se for possível negociar, veja se consegue estender alguns benefícios (como assistência odontológica e convênio médico). Leia com atenção (peça ajuda de um amigo ou familiar) todos os contratos, se informe de todos os seus benefícios e corra atrás! Muitas vezes, a burocracia acaba fazendo com que obter seus direitos lhe pareça mais difícil do que realmente é. No entanto, não se entregue, eles são seus direitos. Caso esteja em dúvida sobre quais são, exatamente, seus direitos, procure por informações (ou por um profissional) na OAB.

Reserve uns dias para recuperação psicológica. Tire uns dias, antes de começar a atualizar o currículo ou buscar novas posições profissionais, para se recuperar do choque inicial. Faça pequenas tarefas e trabalhos manuais. Analise suas finanças e corte gastos desnecessários. Aproveite que é capaz de olhar para o evento da perda do emprego com maior distância para meditar “porque eu?”. A reflexão sobre esse ponto de vista pode ser ainda mais importante de que toda a burocracia que você organizou até então. Pois, é dessa reflexão que poderá ser extraído o aprendizado para que não se cometa os mesmos erros que podem ter originado a demissão. Nessa altura, já deve se estar preparado para buscar a recolocação profissional.

A partir de então, começa a busca por uma nova colocação profissional. Comece atualizando seu currículo. Depois aproveite a internet e faça busca de vagas, acesse informações referentes ao mercado de trabalho, se pretender entrar em uma nova área, busque informações sobre a rentabilidade da mesma e de como fazê-lo. Se possível, contrate os serviços de agências online ou busque por agências “físicas” perto da sua residência. Acione contatos antigos, faça novos contatos (sempre deixando claro que está em busca de oportunidades). Enfim, use a network, “espalhe a palavra” de que você está no mercado buscando por uma nova função. E o mais importante de tudo, persevere. 

Mais artigos
© Copyright 2012 Link Empregos - Todos os direitos reservados